TESTES DE DESEMPENHO DE BOMBAS À COMBATE À INCÊNDIO CONFORME AS NORMAS NFPA 20 e 25

Especialistas nas principais Técnicas Preditivas do mercado

Por que é necessário realizar Testes de Desempenho de Bombas de Combate à Incêndio conforme as normas NFPA 20 E 25?

A execução dos Testes de Desempenho de Bombas de Combate à Incêndio conforme as normas NFPA 20 E 25 são imprescindíveis para avaliar com segurança se a performance do equipamento está de acordo com o seu projeto inicial, ou seja, se está em condições de entregar a vazão e pressão adequadas para a realização do combate ao incêndio, e operar sem falhas quando necessário, evitando as perdas causadas por incêndios de grandes proporções. Sabemos que os minutos iniciais de um incêndio são fundamentais para o controle efetivo do sinistro. Por isso, é importante que a vazão e a pressão certa de água estejam disponíveis no hidrante ou no bico de sprinkler para efetuar o combate. Assim, a manutenção periódica e o teste anual de desempenho da bomba são essenciais para garantir a eficácia do combate ao incêndio, caso seja necessário.

Como são realizados os testes de desempenho de Bombas de Combate à Incêndio?

 

Os testes de desempenho em bombas de combate à incêndio conforme as normas NFPA 20 e NFPA 25 devem ser realizados fixando as mangueiras no cabeçalho do teste de descarga. As mangueiras são apontadas para um local seguro, onde o fluxo de água não causará danos. As leituras de pressão são tomadas à medida que a bomba é executada em seus vários estágios. Se houver uma redução significativa no desempenho da bomba, é necessário realizar um exame mais aprofundado para fazer os reparos necessários. O teste periódico de incêndio pode ser realizado fazendo com que o sistema funcione em uma situação de vazão (churn) com todas as válvulas abertas. Neste caso, de acordo com a NFPA, as válvulas de alívio de circulação são usadas para impedir o superaquecimento da bomba quando está operando, sem que haja descarga de água através do sistema. A válvula de alívio de circulação atua descarregando uma pequena quantidade de água do corpo da bomba para impedir o aumento da temperatura. Enquanto isso, técnicos monitoram a bomba durante seu funcionamento, e registram as anormalidades na operação que precisam ser corrigidas.

Cada bomba deve funcionar pelo intervalo de tempo adequado para a identificação de eventuais problemas. Se durante o teste as bombas apresentarem fumaça, vibrações ou barulhos excessivos, o procedimento deve ser interrompido e o equipamento reparado. Em todos os casos, alguns requisitos específicos devem ser adotados, como:

  • Notificar a empresa ou a equipe que gerencia a central de alarme que a bomba de incêndio será testada.
  • Dar partida na bomba com uma queda de pressão do sistema.
  • Verificar se existe algum vazamento visível de água na caixa de gaxetas. Se não houver gotejamento, o sistema deve ser ajustado para que tenha um pequeno vazamento.
  • Verificar se há vibração excessiva, ruídos fora do comum ou outros sinais de mau funcionamento e fazer as correções necessárias.
  • Interromper o teste no caso de falhas destrutivas e providenciar o reparo.
  • Registrar a pressão dos sistemas de sucção e descarga.
  • Verificar se a bomba funciona pelo período de tempo adequado.
  • Verificar se a bomba e o motor não estão superaquecendo durante o teste.
  • Desligar a bomba manualmente.
  • Religar a bomba Jockey e restaurar o controle da bomba de incêndio para a posição de partida automática.
  • Notificar a empresa ou equipe que gerencia o alarme de incêndio que o teste foi concluído e que o sistema de alarme deve ser reativado.

Uma vez que os dados do teste forem registrados, deve-se compará-los com outros testes anteriores, para determinar se a bomba está operando corretamente. Diferenças significativas na operação precisam ser analisadas para identificar as possíveis causas. Caso seja necessário, ações corretivas serão aplicadas e a bomba testada novamente.

Curiosidade

 

NFPA: É a sigla em inglês para National Fire Protection Association (Associação Nacional de Proteção contra Incêndios). Trata-se de uma organização de desenvolvimento de códigos e normas que oferecem padrões de segurança contra incêndios.

NFPA 20: Protege vidas e propriedades ao fornecer requisitos para a seleção e instalação de bombas para garantir que os sistemas funcionem conforme planejado para fornecer suprimentos de água adequados e confiáveis ​​em uma emergência de incêndio.

NFPA 25: É a linha de base para inspeção, teste e manutenção de sistemas de proteção contra incêndio baseados em água. A conformidade ajuda a maximizar a integridade do sistema para evitar falhas e garantir uma resposta rápida e eficaz em uma emergência de incêndio.

 

 

 

Fale com a Semapi

Envie seus dados e conte-nos quais são as soluções Semapi de seu interesse. Teremos o prazer de atendê-lo prontamente.

TRABALHE CONOSCO 

Venha fazer parte da SEMAPI, envie seus dados para: rh@semapi.com.br

ENDEREÇO

Al. Santos, 1787 - Cj. 92
CEP: 01419-100 - São Paulo/SP

CONTATOS

(11) 2144-4306 (Comercial)
(11) 2144-4343 (Usemol)
(11) 2144-4300 (Suporte Mantec)